segunda-feira, 30 de julho de 2007

Informadores e Formadores da Solidariedade

O NECSO encerrou o I Ciclo de Palestras sobre Economia Solidaria e Agroecologia com o tema: Jovens Comunicadores e Cidadãos. As entidades convidadas para debater junto ao público do evento foram o Centro das Mulheres do Cabo - representado pelo comunicador e educador Hainer Farias, e a Associação dos Trapeiros de Emaús, representado pelo educador Humberto (Beto). A idéia dos deste foi desenvolver junto com estas organizações a discussão entorno do jovem como protagonista utilizando ferramentas como a comunicação e a cidadania para poder se conhecer e se fazer conhecer no mundo.
O Centro das Mulheres do Cabo (CMC) apresentou o projeto "Jovens Comunicadores: O Estatuto da Criança e do Adolescente pelas Ondas do Rádio", criado pela jornalista Ana Veloso como forma de atingir o público jovem do Cabo de Santo Agostinho e parte da Zona da Mata Sul. Hainer primeiro contextualizou sobre a região de Cabo de Santo Agostinho e a origem do CMC. Entre os projetos do CMC de destaque e que influenciou a proposta dos Jovens Comunicadores, foi o programa Rádio Mulher, exibido há 10 anos na Rádio Palmares, que visa atingir o público feminino da Zona da Mata, falando de mulher para mulher. O projeto Jovens Comunicadores é um projeto de jovens falando com e para jovens, foi uma forma de atingir as crianças e adolescentes do município do Cabo para falar sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente, por meio de um programa de rádio, o Jovem em Ação, e também de atividades em Escolas, como o Estatuto em Sala de Aula. Os adolescentes são selecionados das várias localidades do Cabo, são capacitados em técnicas de rádio e jornalista por jornalista e radialistas competentes da própria instituição. Um dos principais avanços deste projeto, segundo Hainer, foi que na última turma capacitada, foram os próprios jovens responsáveis por todos os módulos da capacitação, demonstrando o protagonismo juvenil além de informador, mas também como um formador. O projeto Jovens Comunicadores já recebeu diversos prêmios como o ITÁU-UNICEF em 2001, Prêmio DOCOL/Ministério do Meio Ambiente de Jornalismo em 2007 (obteve o segundo lugar), já em 2003/2004 a jornalista Ana Veloso recebeu foi considerada pela ANDI, merecedora de receber o título de Jornalista Amiga da Criança. Hainer lembrou também que o projeto tem sido replicado sua tecnologia social para outros Estados e entidades, destacando que recebeu Menção Honrosa do Prêmio de Tecnologia Social da Fundação Banco do Brasil.
Beto apresentou de início a origem dos Trapeiros de Emaús, falando do seu fundador do Padre Abbé Pierre, que após a Segunda Guerra Mundial, numa Itália assolada por pobreza e pessoas desabrigadas, Abbé Pierre obteve o cargo político de Deputado, com o que recebia financeiramente como deputado, Abbé Pierre alugou um Galpão e se pôs a morar junto com desabrigados, formando uma comunidade, contudo, o mandato do Padre chegou ao fim, e ele teve a idéia de coletar resíduos sólidos recicláveis para poder vender ou restaurar para reutilizar. Este modelo se espalhou por vários lugares da Europa, América Latina e outros continentes, no Brasil, foi o Padre Dom Hélder Câmara, então Arcebispo de Olinda-Recife, amigo do Padre Abbé Pierre que junto com Luiz Tenderini, criaram em 16 de Agosto de 1996 a Associação dos Trapeiros de Emaús do Recife (em Beberibe). Os Trapeiros trabalham com a coleta, recuperação e venda de objetos usados e a coleta e reciclagem de materiais sólidos. Mas o grupo se destaca ainda pela oferta de Cursos Profissionalizantes oferecidos a jovens do bairro do Beberibe e comunidades pobres em situação de risco. São oferecidos cursos de Eletricidade Civil, Montagem e manutenção de microcomputadores, Marcenaria e Refrigeração. Os professores, monitores e são da própria comunidade, ou de alunos dos cursos do SENAI, que se destacam além do bom desempenho no curso, como também de prover uma ação social passando seus conhecimentos, assim como fez Ronaldo, técnico em refrigeração formado pelo SENAI, melhor aluno de sua turma, e hoje envolvido nas atividades dos Trapeiros de Emaús, sendo seu atual Presidente. Um outro destaque feito por Beto, são os frutos gerados das capacitações, muitas empresas procuram os jovens que fazem o curso oferecendo trabalho, e já há um grande interesse por parte dos Trapeiros de Emaús de transformar seus cursos profissionalizantes reconhecidos pelo Ministério da Educação. Além destas atividades, na sede dos Trapeiros funciona uma Escola de Formação de Educadores/as Sociais, em parceria com a ONG Italiana chamada IPSIA (Instituto Paz Desenvolvimento e Inovação ACLI), que também com esta parceria será construída o prédio da Escola, onde também irão funcionar os cursos profissionalizantes.
Durante e no final da palestra, houve muita participação e debate, demonstrando grande interesse do público entorno do tema.

Maiores Informações:

Centro das Mulheres do Cabo
www.mulheresdocabo.org.br
3524.9170

Associação dos Trapeiros de Emaús
www.emausrecife.com.br
3451 2247

1 comentários:

Cleidson Moura disse...

Fico feliz em saber que Beto esta desenvolvendo bem suas obrigações na ong. Aprendi muita coisa com ele e seu irmão Hélio. Grandes amigos que tenho: Marcos, Helio, Beto, Angelo, Ronaldo, Adriano, Amancio, Luiz, SÃO pessoas que fazem a diferença em EMAUS. Obrigado pela oportunidade de estar presente em suas vidas.
(Cleidson Moura)

O NECSO, um dos grupos de pesquisa da UFPE, criado em 2004 e devidamente registrado no Conselho Nacional de Pesquisas (CNPq), vem trabalhando tendo como fio metodológico a combinação entre pesquisa e extensão. Trata-se de envolver professores (pesquisadores) e estudantes (pesquisadores em formação) na tarefa de implementar uma ação social – ao mesmo tempo em que seja desenvolvido um trabalho de avaliação dessa ação.

Contato: necsoufpe@gmail.com

Mural do NECSO!